Sábado, 29 de Outubro de 2005
Passagem das horas - Álvaro de Campos (1)
"Não sei sentir,não sei ser humano,
não sei conviver de dentro da alma triste,com os homens,meus irmãos na terra.
Não sei ser útil,mesmo sentindo ser prático,quotidiano,nítido.
Vi todas as coisas e maravilhei-me de tudo.
Mas tudo ou nada sobrou ou foi pouco,não sei qual,e eu sofri.
Eu vivi todas as emoções,todos os pensamentos,todos os gestos.
E fiquei tão triste como se tivesse querido vivê-los e não conseguisse.
Amei e odiei como toda a gente.
Mas para toda agente isso foi normal e institivo.
Para mim sempre foi a excepção,o choque,a válvula,o espasmo.
Não sei se a vida é pouco ou demais para mim.
Não sei se sinto demais ou de menos.
Seja como for a vida,de tão interessante que é a todos os momentos,
a vida chega a doer,a enjoar,a cortar,a roçar,a ranger,
a dar vontade de dar pulos,de ficar no chão,
de sair para fora de todas as casas,
de todas as lógicas,de todas as sacadas,
e ir ser selvagem entre árvores e esquecimentos."


publicado por hagace às 16:54
link do post | comentar | favorito
|

7 comentários:
De Anónimo a 31 de Outubro de 2005 às 11:20
"Deve ser para pagar trabalho extra.Só pode."

És maroto...
;)
a.fernandes
(http://albertino.no.sapo.pt)
(mailto:albertino.fernandes@mail.pt)


De Anónimo a 31 de Outubro de 2005 às 09:24
Que escolha tão bonita, H.C. Não posso citar nada, teria que citar tudo. É belo, belíssimo. Um beijo grande e obrigada por me teres recordado este poema.Carla
(http://acarosnoarmario.blogs.sapo.pt)
(mailto:carla.pedro@gmail.com)


De Anónimo a 30 de Outubro de 2005 às 21:54
Agradeço desde já a visita e comentário ( o 1º da sua curta vida, nasceu agora) no Fanikeira http://fanikeira.blogs.sapo.pt Gostei dos temas que aqui encontrei, principalmente do Mantorras o corvo livre que cometeu o crime de saciar a fome. Obrigado e boa semana. BufagatoBufagato
(http://bufagato.blogs.sapo.pt)
(mailto:luismcunha@gmail.com)


De Anónimo a 30 de Outubro de 2005 às 16:34
....Seja como for a vida,de tão interessante que é a todos os momentos,a vida chega a doer,a enjoar,a cortar,a roçar,a ranger,
a dar vontade de dar pulos,de ficar no chão,
de sair para fora de todas as casas,
de todas as lógicas,de todas as sacadas,
e ir ser selvagem entre árvores e esquecimentos.... adorei esta parte final do poema....lindooooo :) bjs da princesapluma(princesavirtual)
(http://www.princesavirtual.blogs.sapo.pt)
(mailto:plumacaprichosa@hotmail.com)


De Anónimo a 30 de Outubro de 2005 às 11:10
então, ja fizeste os caracois? lol
eternasinsonias.blogs.sapo.pt (o meu outro)Leonor
(http://www.gandatrofio.blogs.sapo.pt)
(mailto:leonor_rainyday@hotmail.com)


De Anónimo a 29 de Outubro de 2005 às 23:26
Olá Hélder!
Antes de mais, muito obrigado pela visita! É sempre um prazer receber os teus comentários!
Este poema está muito bom!
Tiveste muito bom gosto!
Textos destes é sempre um prazer lê-los e relê-los!
Desejo-te um bom fim-de-semana!
Um abraço!Hélder Durão
(http://personalbook.blogs.sapo.pt)
(mailto:helder_durao@hotmail.com)


De Maria Ferreira a 17 de Junho de 2009 às 00:25
muito lindo este poema. Mostra a realeza de tudo


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
25

26
27
28


posts recentes

Vão lá roubar p'ró car......

O desafio

A empata.........

...................

Aniversário

Uma agradável surpresa

Passagem das horas - Álva...

Em nome do Pai, do F........

António Aleixo (5)

Era só um banco porra !!!

arquivos

Fevereiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds